22 de fevereiro de 2015

3 opções, 4 perguntas

"Mas vós, continuou ele, quem dizeis que eu sou?", perguntou certa vez Jesus aos seus discípulos, conforme registrado em Mateus 16:15. Esta é uma pergunta tão relevante agora quanto era no passado. Se naquela época as pessoas davam as mais variadas respostas a ela, ainda hoje continuamos fazendo isso, e a forma como respondemos diz muito sobre a nossa visão de mundo.

No fundo, no fundo, muitas pessoas, incluindo cristãos nominais, consideram que Ele foi apenas um tipo de "grande professor/mestre que ensinou sobre amor", e nada mais do que isso, mas para mim isso nada mais é do que fazer rodeios, evitar chegar ao fundo da questão. Se pararmos para pensar, o assunto em questão é muito mais sério e profundo do que isso.

Cristãos autênticos, que professam o cristianismo bíblico histórico, testificaram ao longo dos séculos, e continuam testificando até hoje, que Ele é o Filho de Deus Encarnado e que, conforme registrado na Bíblia Sagrada, o próprio Jesus identificou-se como sendo Deus.

Isso é simplesmente uma afirmação muito grande e séria para qualquer um fazer, e diante de tamanha alegação, penso que só nos restam 3 opções sobre quem Jesus realmente foi:

Ele era um grande mentiroso.

Ele era um doido varrido, um maluco.

Ele realmente estava dizendo a verdade. Ele realmente era o Filho de Deus.

Aceitar a última opção como a correta deveria nos levar a fazer os seguintes questionamentos:

Por que Ele entrou na História, nascendo como um ser humano?

Por que Ele teve que morrer?

Por que Ele ressuscitou no terceiro dia da Sua morte?

E por último, mas não menos importante, deveríamos finalmente perguntar:

O que isso tudo tem a ver conosco?

Insisto que temos que parar para pensar sobre isso. Garanto que é aquele tipo de reflexão vital, que pode mudar a vida de qualquer um ;)

0 comentários: